View Colofon
Original text "UPRKOS PROLEĆU" written in SR by Ana Marija Grbic,
Other translations
Mentor

Dejan Tiago-Stankovic

Proofread

Paulo Capinha

Published in edition #2 2019-2023

Apesar da primavera

Translated from SR to PT by Ilija Stevanovski
Written in SR by Ana Marija Grbic

      Sob a luz intensa duma lâmpada de néon da fraca qualidade, Mariana Gruić cuspia tentando limpar a lama das suas coxas. Ainda era jovem e ainda capaz de correr numa flecha até à entrada, nem sequer tinha que andar pelo caminho pavimentado, as sapatilhas gastas que tem dão-se bem com a terra e a poeira. Mariana refletia sobre a vida, ainda ontem pulava elástico, e já hoje o namorado beijou-a de língua e ela sentiu uma língua alheia, quente e áspera, a encher-lhe a boca. A vida vai mudando, dizia a avó de Mariana, a vida vai mudando sem parar, só que vai ficando sempre pior. Mariana Gruić afundou numa profunda reflexão sobre a vida, mais precisamente, concluiu que a língua do seu namoradinho era uma alternativa bem boa quando comparada com as brincadeiras infantis. Um beijo de língua é melhor do que a sensação no peito que já não aguentas mais e cais de joelhos no asfalto, magoas a palmas das mãos, sem saber quem está pior, tu ou tuas amigas. 
      Por já ser mais crescida, Mariana não parava de falar ao telefone, mesmo quando tomava duche, quando a avó contava historinhas da sua juventude, quando a mãe e o pai discutiam, ela andava sempre agarrada ao telefone. Desta vez, quando o seu telefone tocou, Mariana estava dentro da banheira e aí atendeu. Quem ligou foi uma gaja furiosa, chamou-a de puta, disse-lhe: roubaste-me o namorado, desafiou-a para lutar. Mariana, naturalmente, aceitou o desafio, até agradeceu antes de desligar. Foi por três horas inteiras que Mariana Gruić não saiu da banheira, até quis ficar lá dentro sem nunca sair. Primeiro colava as costas ao fundo molhado, depois juntou as pernas e encostou-as contra as paredes frias. O bafo quente da água fazia lembrar o esgoto onde Mariana costumava caçar os sapinhos verdes. Se tivesse continuado a caçar os sapinhos, a pular elástico, se tivesse continuado a decapitar as bonecas, se tivesse pedido à avó que costurasse mais um vestidinho para a sua Barbie, agora não teria que ir lutar. A culpa era sua. A vida vai mudando, mas porquê é que tu tens que mudar com ela, pois, Mariana ficou furiosa ao entender que não havia opção senão ir lutar, de repente sentou-se mal e quase que vomitou o jantar. Nos ouvidos de Mariana Grujić, a noite de abril desenvolveu-se num barulho intenso e ela dormiu ensopada em suor, sem esperanças algumas que no dia seguinte vai voltar a ser jovem para não ter que ir à passadeira, lutar e cuspir. 
      De manhã a avó passava a pano seco umas peras, maduras tal como o recém-formado rabiosque de Mariana, ao meio-dia houve um almoço mal-amanhado da carne péssima que na mesma tarde cresceu numa nuvem turbulenta dentro do estômago de Mariana Gruić que se preparava para o combate. Isto é que é a vida, pensou enquanto calçava com dor e medo os ténis que já lhe apertavam o pé. O que Mariana então não sabia era que esse vai ser o último par de ténis que vão deixar de lhe servir por causa de tamanho. Mas se soubesse que com esse mesmo par de ténis iria terminar a sua infância, que iria deixá-la para trás nesse mesmo dia, se tivesse sabido tudo isso, saltaria imediatamente do décimo-segundo andar do arranha-céu. 
      Na passadeira, o nevoeiro leve e gordurento paira sob o betão quente. A gaja que quer lutar veio acompanhada. São vinte os adolescentes coléricos que pulam nervosos sem sair do sítio à espera que a Mariana se aproxime de passo leve. Mariana Gruić caminha, mas o caminhar não sente. Leva uma pedra na mão e tem os cordões dos ténis bem apertados. Primeiro perde-se no meio das pessoas como se fosse uma deles. A garota que quer luta é a primeira a levar na cara. Mais uma bofetada, e já caiu no chão. No meio das sinapses marianinas ouvia-se um grande latido, ouvia-se muito rosnar, mas ela atirou-se com ainda mais força contra a  multidão que lhe caiu em cima, de punhos e socos, e ela bateu com muita força, com a sua frágil cabeça contra a natureza desfavorável dum bloco de betão. O silêncio que então tocou o corpo de Mariana Gruić tinha o sabor do melhor sorvete de baunilha, intensa porém delicada. A primavera retirou-se, foi-se embora, talvez para as vidas das senhoras finas, penteadas e maquilhadas, onde mais pertence. A passadeira ficou vazia. O que é que se ouvia essa noite da primavera?
      A urina molhou as cuequinhas de Mariana. Ela viu claramente um sapo a encher a boca de ar e sobreviver. Os seus dedos estendidos no chão, ao lado da sua cabeça, ela lembrou-se do seu primeiro orgasmo e apercebe-se que a vida já tinha mudado e que nunca mais nada iria ser melhor. 
      Estava com esperanças que o embate da cabeça fosse tão forte que a faça esquecer-se das manhãs lindas da infância que acabou de perder. Num só instante, os seus pés cresceram por um milímetro, e logo pararam de crescer de vez. Apesar da primavera.

More by Ilija Stevanovski

O final feliz

      Foi a chuva que me acordou. Meteu-se no meu sonho e no início eu não sabia de que mundo vinha. Eu a nadar na infinidade do Pacífico. Sei que era o Pacífico, conheço bem o Oceano Pacífico da televisão. Eu a nadar no turquesa e no cristal. É assim mesmo que dizem nas reportagens, turquesa e cristal. Na anca levava umas fitas que apertavam o fato de banho com umas continhas coloridas penduradas. Recordo-me dele das fotos, o meu primeiro fato de banho, ainda de menina. Enquanto eu fazia o nó, o céu abriu e deixou cair uma cortina de água. As gotas pesadas caíam na minha cabeça e nos meus bra...
Translated from SR to PT by Ilija Stevanovski
Written in SR by Jasna Dimitrijević

Diário da Vida

17     22 de dezembro de 2014. Diário da Vida     A aparência irreal da Praça de Espanha na fotografia impressionava com  magnificência da civilização anterior já despida do seu sentido. Para que é que uma potência colonial necessita de uma praça tão tamanha, concebida para as festividades de outrora, decorada com os nichos pretensiosamente dedicados cada um a uma província espanhola? As carruagens circulavam ao redor da fonte, oferecendo aos turistas uma amostra barata da pompa da nobreza antiga. Pelo menos não se veem os segways por aqui. Um cavalo aproveitou-se do descuido do cocheiro, ...
Translated from SR to PT by Ilija Stevanovski
Written in SR by Marija Pavlović

A Aguardente que mata

DE LIVRO DE CONTOS: A AGUARDENTE QUE MATA DISCLAIMER: Os seguintes excertos são de um livro de contos composto por seis ciclos (Uma notícia incomum, As aves não sobrevoam os subúrbios, Os esboços do minibus, A aguardente que mata, Pela boca, Fizeram bem em bombardear-nos). Cada um dos ciclos contém cinco contos. Os contos condensam os protagonistas e os acontecimentos, e entrelaçam-se entre si no espaço.  CICLO AS AVES NÃO SOBREVOAM OS SUBÚRBIOS     As Casas da cultura nas terras pequenas foram todas convertidas em lojas. Em frente delas há sempre três ou quatro homens de chinelos abibas d...
Translated from SR to PT by Ilija Stevanovski
Written in SR by Ana Marija Grbic

Eu não era, mas agora sou. Sensível a qualquer mudança do tempo.

Lá do outro lado do canal levávamos na cara com o vento carregado de flocos de neve, mas depois de atravessar a ponte, já nesta margem, fica-se de costas ao vento, o que torna o processo todo um pouco mais agradável. Desta nova posição a paisagem pode ser contemplada com menos esforço, sem fechar os olhos. O canal ainda não está completamente congelado mas não tarda e o gelo fecha e cobre tudo, é questão de poucos dias. Não há nada a fazer. À primeira parecia ser uma miragem, mas logo se confirmou que havia lá, no meio do canal, um cisne a tentar passar abrindo sempre um caminho na superfície ...
Translated from SR to PT by Ilija Stevanovski
Written in SR by Marija Pavlović

O Marcador

      Primeiro, Robert fica sozinho no sofá, à esquerda da mancha que há uns meses Sven fez com um marcador vermelho. Ele pergunta como é que estou, se as farmácias e as lojas estão abertas, se tenho tudo o que preciso, o que é que vou fazer se acontecer alguma coisa. Estou bem, estão abertas, tenho tudo, não se vai passar nada. Todos os dias ele pergunta as mesmas coisas, todos os dias eu respondo-lhe o mesmo. Aqui nada acontece depois das cinco da tarde. Queria também acrescentar: O propósito do confinamento é que não se passe nada - mas não o disse, seria imprudente da minha parte. Então Ro...
Translated from SR to PT by Ilija Stevanovski
Written in SR by Jasna Dimitrijević
More in PT

Clarões

Numa coletânea de ensaios intitulada O Zen e a Arte da Escrita, Ray Bradbury escreve que, dos vinte e quatro aos trinta e seis anos, passou o tempo a anotar listas de substantivos. A lista dizia mais ou menos assim: O LAGO. A NOITE. OS GRILOS. A RAVINA. O SÓTÃO. O RÉS DO CHÃO. O ALÇAPÃO. A CRIANÇA. A MULTIDÃO. O COMBOIO NOTURNO. A SIRENE DOS NEVOEIROS. A FOICE. O CARNAVAL. O CARROSSEL. O ANÃO. O LABIRINTO DE ESPELHOS. O ESQUELETO. Ultimamente, aconteceu-me uma coisa semelhante. Vivi numa família que me proporcionou uma boa educação e uma boa forma de estar no mundo, mas ultimamente tenho pe...
Translated from IT to PT by Vasco Gato
Written in IT by Sara Micello

Diário

21 de agosto       Chamo-me Erik Tlomm e este é o meu diário. Foi o psiquiatra que me recomendou escrever, supostamente para ter melhorias no tratamento. Contudo, para quem devo escrever? Para ele? Para a minha esposa Lina? Mas com certeza não lhe vai mostrar o que eu escrevi. Quando lhe perguntei, respondeu: «Escreva para si próprio.» Então, comprei uma caderneta de couro e eis-me aqui, sentado à secretária, a escrever-me um diário, sem conseguir afastar a sensação de escrever também para outra pessoa – mas para quem? 22 de agosto       Deixem-me explicar o meu primeiro registo no diário (...
Translated from SL to PT by Barbara Jursic
Written in SL by Mirt Komel

Residence

Apartamento 11  O MENINO  Aquele menino, olhai bem para ele.  Todos os verões, aquele menino tem mais um ano.  Todos os verões, o castanho dos seus cabelos é aclarado pelo sol num  vermelho ténue, de reflexos claros. Todos os verões, de manhã, enche os  pneus da sua BMX e pedala dentro da Residence, ao longo do muro de  pedra atrás do qual se esconde e espia os da sua idade escoicear uma bola no  campo de terra batida. Gritam palavrões de todo o tipo. Palavrões que o menino nunca disse.  A Residence é composta por dois pequenos edifícios de três pisos,  idênticos. Um o reflexo do outro. A div...
Translated from IT to PT by Ana Cristino
Written in IT by Maurizio Amendola

Está tudo bem

Ela leva a sua máquina de café consigo. Ela não sabe quem é. No entanto, sabe, sim, que é uma mulher com uma máquina de café expresso da marca De’Longhi Magnifica S ECAM20.110.B totalmente automática. Preta e cinzenta. Porque já não sabe mais nada, todos os pormenores são importantes. De manhã, assim que a máquina começa a moer os grãos de café com o seu ruído infernal, ela fica logo acordada – e os vizinhos também. Comprou a máquina em segunda mão no Coolblue e, durante quatro dias, passou as manhãs à espera dela, junto à janela. Ao mesmo tempo que fazia no site, de cinco em cinco minutos,...
Translated from NL to PT by Lut Caenen
Written in NL by Aya Sabi

O regresso

As coisas descarrilaram em agosto, num domingo de manhã, quando os primeiros transeuntes da Place du Parvis Notre-Dame, empregados dos cafés da zona, viram o objeto, algo como uma bala gigantesca assente no solo com a ponta virada em direção à catedral e a parte traseira na direção da esquadra de polícia. Numa primeira estimativa, o projétil media por volta de vinte metros de comprimento e cinco de diâmetro. Os empregados de mesa e de bar aproximaram-se com curiosidade, deram uma volta, encolheram os ombros e foram abrir os restaurantes. Isto foi por volta das sete. Por volta das oito, os pad...
Translated from RO to PT by Cristina Visan
Written in RO by Alexandru Potcoavă

O Sol quando Cai

I  Na manhã de 11 de julho de 1978, parte em direção a Barcelona um camião  com um carregamento de propeno líquido. O camião vem de uma  pequena cidade na Catalunha e é conduzido por um motorista que, no  meio da sua cara brilhante, usa um grosso bigode. Já trabalha há vinte anos  para a mesma empresa, com o mesmo camião, e conhece a rede rodoviária  de Espanha de cor. Para evitar portagens, escolhe sempre as estradas  interiores.  As botijas de gás não foram feitas para ficar muito tempo ao sol, e uma  enorme cisterna com vinte e cinco toneladas de propeno, apesar de só  poder conter dezano...
Translated from NL to PT by Xénon Cruz
Written in NL by Joost Oomen