View Colofon

A ranhura do zangão

Translated from SL to PT by Barbara Jursic
Written in SL by Agata Tomažič

O dia zero 

Os seus dedos deslizaram quase automaticamente até ao telemóvel, que pousou ao pé do prato da sopa. Não que esperasse que no ecrã aparecesse algo excitante, mas os velhos hábitos são difíceis de esquecer... De cada vez que veio passar alguns dias a casa, preferiu desativar a aplicação web de encontros. E ainda não saberia dizer se o fez por si se pela sua família – dado que se sentia desconfortável em deixá-los embaraçados –, ou se o fez para se proteger do desconforto de segunda mão: não suportaria que por entre os perfis avistasse as nicks deploráveis e as lamentáveis e meio disfarçadas fotos dos conterrâneos que por fora cultivavam a imagem impecável de esposos amorosos e de pais de família exemplares, mas por dentro eram completamente diferentes. Sim, as aparências eram muito importantes em Strmčnik.

“Para, larga o telemóvel”, foi a exclamação que o tocou no braço quase como uma leve chicotada, tão estrondosa foi na cozinha escura com revestimento em madeira. “Não é apropriado passares o tempo todo, durante o almoço, a olhar para o telemóvel! A tua mãe fez um almoço delicioso e tu não queres saber disso! E há tão poucas ocasiões em que podemos comer juntos!”

Inclinou a cabeça e, sem querer, curvou-se e pôs-se soturno, como um cão repreendido pelo dono que o surpreende a meio de um comportamento ilícito. E em tudo aquilo não sabemos se o cão realmente lamenta o que fez ou se, com o passar do tempo, aprendeu a evocar uma imagem de culpa porque percebeu que era assim que podia alegrar o dono. Depois de mais de vinte anos de vida, Jan sabia perfeitamente o que deixava a sua avó de mau humor e o que lhe dava alegria. Sabia também que o rol de coisas que a chateiam é muito maior que o daquelas de que gosta e que lhe acendem uma chama de alegria nos olhos. Vera não era uma daquelas avós benevolentes que mimam os netos, compram-lhes gelados e os levam ao jardim zoológico mesmo se os pais os proíbem, porque, supostamente, os seus filhos não se portam bem e não o merecem. Porque são avós e já criaram os seus filhos, e os netos lá estão para serem mimados, não é? 

Mas Vera não era assim. Mesmo que Jan se comportasse de modo irrepreensível – o que sucedia quase sempre –, como quando trazia da escola as pautas só com notas mais altas – o que sucedeu praticamente todos os primeiros doze anos da escolaridade –, não recebia da sua avó nem uma palavra encorajadora, ainda menos um gesto de ternura. E ainda menos uma nota, ou seja, o rolo de notas que os avós davam aos seus colegas de turma, cujo rendimento escolar era muito pior que o seu. No fim do ano letivo, dada a nota final, muito bom, os pais ou os avós compravam-lhes bicicletas todo-o-terreno caras, equipamento de ski topo de gama, ou seja, davam-lhes somas substanciais de dinheiro para eles poderem escolher e comprar tudo isso sozinhos. Jan aprendia a esquiar nos skis velhos, herdou a bicicleta do pai, que já não tinha vontade de andar nela, às vezes usava mesmo roupa e sapatos gastos, apesar de não ter irmãs ou irmãos mais velhos. Até que um colega de turma que muitas vezes lhe emprestava dinheiro para o lanche lhe disse, irritado, que já não lhe daria mais e que já não suportava a sua avareza, uma vez que a mãe lhe dissera que a sua família tinha dinheiro mais do que suficiente, Jan nem sabia disso. Os critérios, quem é rico ou não, deveriam ser iguais também fora de Strmčnik, ou seja, na cidade vizinha cujos habitantes gostavam de ir passar férias para a sua vila. É verdade que o seu hotel não era muito grande, nem muito luxuoso, como alguns na aldeia. Só tinha 15 quartos, mas era o mais antigo e o mais bonito, e, sobretudo, podia gabar-se de uma tradição familiar longa. Tanto a tradição como o facto de pertencer à categoria dos chamados hotéis familiares foram sendo cada ano mais apreciados e asseguravam-lhe uma ocupação de quase 100%, não só na época do inverno, mas, cada vez mais, também no verão.

A maioria dos turistas cai na armadilha e acredita que o adjetivo familiar nos serviços hoteleiros assegura um carinho e um amor especial – dos quais são unicamente capazes as famílias (o que é igualmente uma armadilha e uma ilusão). O Hotel Flajs era um hotel solidamente gerido e limpo, e os hóspedes sentiam-se bem nele e regressavam – o que não se deveu ao facto de a família ser proprietária, mas sim por nela existir pouco carinho, pouco calor humano. A razão principal, e ao mesmo tempo a única, do sucesso do hotel era Vera, cujos lábios quase nunca se curvavam num sorriso e muito frequentemente ficavam apertados numa linha reta que lembrava a fenda do mealheiro. Como se a velha senhora receasse que, com o ar exalado que lhe escapava pela cavidade oral, deixasse escapar também algo valioso, algo que fosse melhor reter e usar de outra maneira, transformar em dinheiro. 

Era assim desde sempre. A primeira memória que Jan tinha dela era essa, a qual ainda piorava com os anos. Olhava para ela, que com uma expressão soberba, desprezadora, estava sentada à mesa e fixava-o com um olhar frio, arrogante. A sua pele era cerosa e, embora bastante velha, não tinha muitas rugas – como se o seu mau humor constante a protegesse contra os vestígios do envelhecimento. Tinha os cabelos brancos sempre mais finos e as orelhas caídas – os brincos pendentes, que lhe foram oferecidos pelo pai no seu décimo aniversário e que, segundo ela dizia, a partir de então nunca mais tirou, alargaram-lhe os buracos nos lóbulos de modo obsceno. Balançavam-se como as mamas das velhas africanas, que enchiam de horror e despertavam um protomedo da morte e do envelhecer, o desfazer lento do corpo. Jan não suportava olhar para os seus lóbulos de cada vez que vinha a casa e ela o mandava abraçá-la, pelo que fechou a porta aterrorizado para não ter de avistar esses pedaços de carne flácidos. Quando começou a estudar história da arte e, nas aulas, os professores lhe apresentavam correntes artísticas diferentes durante a História, ele percebeu quem é que a avó o lembrava: uma das matronas pintadas por Rembrandt a pedido dos seus esposos, comerciantes cobiçosos de Haia ou Delft com um brilho astuto nos olhos. Faltava a Vera apenas um boné branco e o colar branco na malha preta. Não fosse isso, e ela ficaria igual, como se as telas dos mestres do Renascimento do Norte ganhassem vida. Sem esposo, claro, porque há muito falecera e Vera, em sua memória, desde que se tornara viúva, vestia preto.  

“Sim, avó”, disse Jan. “Desculpa”, acrescentou, e virou-se para a mãe, uma senhora esguia cuja cara era tanto mais encovada e gasta quanto a pele nas faces de Vera era lisa e brilhante.  

Nesse momento ouviu-se o relinchar de um cavalo. Veio até à varanda pela porta aberta porque lá fora estava já bastante quente e era um dia de sol, e os raios de sol do início de primavera, à hora de almoço, derretiam corajosamente os montes de neve junto ao parapeito da varanda. A poça no chão tornava-se cada vez maior, à noite, com a temperatura abaixo de zero voltou a gelar, mas, era claro que os dias de inverno já estavam contados. Aliás, essa era a melhor época para esquiar, quando a neve nas pistas estava ainda suficientemente compacta e os esquiadores, por volta do meio-dia, já se podiam estender nas espreguiçadeiras diante dos chalés e apanhar sol. Por isso, nesse período primaveril, também as tarifas diárias no hotel eram as mais altas. 

O relinchar aproximava-se. 

“Maldito criador!”, replicou em tom zombeiro Vera. “não posso crer que ainda anda por aí com o cavalo. Quem julga ele que é? Acha que é como os partisans que, no fim da guerra, vinham a Liubliana e as ruas ficavam cheias de excrementos de cavalo e tudo cheirava mal? Tal pai, tal filho!”, disse. Fez uma careta e pousou os talheres, como se o próprio relinchar do cavalo a incomodasse tanto que não poderia comer. 

Uma cabeça cabeluda espreitou pela porta. Parecida ao Grizzly Adams, só que com cabelo e os pelos da barba já muito brancos. Estava sem fôlego, ofegante, e com uma mão apoiou-se no caixilho da janela. Abriu a boca para dizer algo, quando...

“Não pode tocar à campainha e entrar pela porta, como as pessoas normais, civilizadas?”, começou Vera a censurar. “E se o seu cavalo urinar no jardim, vai ter de limpar os excrementos e levá-los para casa!”

“Foi encontrado... foi encontrado... o carro!”, começou, hesitante, a cabeça com uma juba desgrenhada. “O carro que Miran enterrou na neve no outono! E anunciou uma recompensa para quem o encontrar! Agora, uns esquiadores encontraram-no, encontraram-no na ranhura do Zangão!”

“Stojan, por favor, por que razão acha que isso nos poderia interessar? Não vê que estamos a almoçar? Até um cão gosta de comer em paz! Está a incomodar-nos!”

“No carro encontraram... Roman!”

Ouviu-se um tinido – o barulho produzido quando a colher lhe caiu das mãos sem querer chamou à atenção a única pessoa que, sentada à mesa, durante todo o almoço não dissera nada, apesar de ser, pelo menos uma vez, explicitamente mencionada na conversa e mencionada como boa cozinheira, uma vez que lhe coubera o mérito do delicioso caldo de carne com massa. Depois disto, os membros da família terão a oportunidade de saborear as excelentes batatas assadas e o lombo de porco preparados pelas suas mãos de ouro. Mas é certo que isso lhes será dado? Nesse momento, as mãos de Vlasta tremiam tanto que não eram capazes de segurar a colher, menos ainda de agarrar na frigideira com as batatas ainda a aquecer no fogão ou a assadeira com a carne que estava no forno. Jan teve a sensação desconfortável de que a sua estadia na aldeia natal, que imaginara como um fim de semana prolongado durante o qual não faria nada senão esquiar, se iria alargar imprevistamente.
Sentia-se como se a ponta do seu cachecol de seda, que enrolou ao pescoço numa indiferença só aparente, que era, na realidade, cuidadosamente recriada, ficasse presa nas engrenagens duma máquina. E como se puxasse com tanta força e com tanta insistência que Jan não teria outro remédio senão aproximar a cabeça, caso contrário o cachecol apertar-se-ia em volta do seu pescoço e ele acabaria tragicamente, como Isadora Duncan. Pareceu-lhe que uma coisa arrancara e que já não seria possível pará-la. Já não conseguia fingir não ter ouvido aquilo que ouviu. Ou aquilo que se seguiu.  

“Está morto, com a cabeça cheia de sangue, foi a única coisa que vi, depois, corri até aqui...”

Vlasta afastou o prato com tanta força que a sopa espirrou sobre a toalha encerada xadrez, e com repugnância, como se no prato à sua frente avistasse nada mais nada menos que a cabeça cortada e ensanguentada de João Batista. Depois levantou-se e saiu a correr da cozinha, seguindo a curva do balcão da receção até à porta com a inscrição “Toilette”. Na receção, correndo em pânico, quase atropelou dois hóspedes com o equipamento de ski completo que estavam ali parados. Felizmente, estavam tão absortos na conversa que não prestaram atenção a uma mulher louca a correr. 

“Sim, mas se já no primeiro dia comprámos um passe semanal, temos de estar seguros de que fará bom tempo durante todos os sete dias”, disse ele.

“Digo-te que fará. A previsão meteorológica semanal é ótima”, disse ela, vestida de casaco de ski de penas cor de rosa com colarinho branco de pele, e pôs o seu telemóvel diante dos seus olhos. “Olha, sol até ao fim de semana”, disse ela com um tom de triunfo na voz, como se com as próprias mãos, todos os dias, trouxesse a esfera ardente ao firmamento, ou, pelos menos, como se ela mesma fizesse a carta meteorológica para toda a zona de ski.  

“Está bem, que assim seja. Digamos que acredito em ti”, disse ele.

“Não tens outra hipótese senão acreditar em mim. Tenho sempre razão”, disse ela. E no momento em que a sua mão iniciara já o gesto de lhe dar uma bofetada – como se fosse um jogo –, ela comentou: “Assim, não só poupamos no passe, que não fica tão caro se comprado semanal, em vez de ser comprado todos os dias, mas também no tempo, porque a cada manhã não teremos de ficar na fila, na caixa nas pistas. Já para não dizer que temos desconto na compra do passe de três horas hoje à tarde!”

Olhou para ela admirado e abanou a cabeça, como se não pudesse crer na riqueza – uma esposa poupadora e esperta – que o destino lhe oferecera. Ela deu uma volta no salto e virou-se para a receção, exatamente no momento em que a porta da casa de banho abriu e cambaleou pela porta uma mulher de rosto palidíssimo, cuja tez parecia ainda menos saudável em contraste com a coroa de cabelo preto desgrenhado. 

“Bom dia, as chaves do quarto que marcámos, por favor”, disse a mulher com o equipamento de ski completo. “E rápido, que estamos com pressa!”

Vlasta acenou com a cabeça em silêncio, passou por trás do balcão da receção, tocou no rato e ficou com o olhar fixo no ecrã do computador. Por momentos, pareceu-lhe que iria ficar enjoada outra vez e que iria vomitar toda a bílis ali mesmo, no balcão e nos arquivadores debaixo do balcão, ou, talvez, na forma do arco, nos hóspedes que se apoiavam no balcão e a olhavam curiosos. Continuava convencida de que já não havia mais nada por expelir, que o estômago estava completamente vazio, que não estava enjoada, que o que se passara não era assim tão grave... Depois, estendeu o braço atrás das costas e, sem o acompanhar com o olhar, agarrou as chaves, porque já conhecia onde elas estavam de memória. Então, não exatamente de memória, tirou-as da única gaveta que ainda estava cheia.  

“Façam o favor, senhora e senhor... Muito bem-vindos ao Hotel Flajs. Uma ótima estadia!”, disse Vlasta, e deixou-se cair na cadeira, pálida como o pó de arroz no rosto de um palhaço de circo. Quando lhe deslizou uma lágrima do olho, estava ainda mais parecida com ele. 

“Vlaaaasta! Vem acabar de comer!”, ouviu-se uma voz vinda da cozinha, que era de Vera. “O teu caldo já arrefeceu! E não vamos deitar para o lixo as batatas e a carne assada!”

More by Barbara Jursic

Sobre os corcéis e os demónios

Recordo o dia de ontem como se fosse ontem. Em Bruxelas, apanhei um comboio – aliás, dois, porque tive de mudar para a correspondência – para Haia só para ver uma única pintura.     O demónio obcecou-me com um desejo obsessivo, pelo que simplesmente tive de ir.      Mas a viagem estava longe de ser o que eu imaginava, o que confirmei quase imediatamente depois de sair do hotel, então deixei tudo e todos para trás.      Na estação de comboios de Bruxelas, Gare du Nord, quase embarquei num comboio errado porque sincronizei-me com o horário da Gare Central, de modo que, em vez de comprar o bilhet...
Translated from SL to PT by Barbara Jursic
Written in SL by Mirt Komel

Alguns meses mais tarde

12 de agosto  «Mohamad, daqui a meia hora, esteja perto do telefone. Acho que a encontrei!» Salto da cama num empurrão, visto-me abstraído o mais rápido possível e saio da pensão. Rápido. Como se fosse diferente chegar a casa cinco minutos mais cedo ou mais tarde. Quase corro, descendo a ladeira na direção do porto, ali entre o bairro judeu de Hardara Carmel e o outrora palestiniano de Wadi Salib. Porém, ouço a serra que provavelmente corta o ferro e as galinhas e os galos. Incrível. O cheiro a fazenda no meio da cidade que quer apagar a sua história e ser moderna. Como se regressasse ao ano...
Translated from SL to PT by Barbara Jursic
Written in SL by Andraž Rožman

Com as aves, partilho o céu

      Às vezes, torna-se insuportável. Manducam tão alto que me despertaram. E não só, também discutem quem terá o bocado mais saboroso e não me deixam adormecer. Tudo se ouve, embora haja vidros duplos nas janelas e as esquadrias isolem bem. Um quer sementes de abóbora, outro de linho, porque estalam tão entusiasticamente, os mais pequeninos querem, sôfregos, as migalhas de pão. As fêmeas não querem, de maneira nenhuma, o bolo de sebo. Quem diria que os tordos-comuns, os pintarroxos, os chapins-azuis e os verdilhões não queiram encher o seu aparelho digestivo com absolutamente nada do que lhe...
Translated from SL to PT by Barbara Jursic
Written in SL by Agata Tomažič

Very Important Person

Mais uma vez, passei o dia inteiro a olhar fixamente para os números luminosos por cima do elevador: 8… 7… 6… 5… 4… 3… 2… 1… “Bom dia, senhor Seljak.” Cumprimento-o sempre, uma vez que sou um profissional. Responde-me com silêncio, ele também o é. Quando tenho sorte, um vinco resplandece no seu rosto de pedra. Se tem um bom dia, levanta a sobrancelha direita, como se me quisesse dizer: “Eu sei quem és tu, mas os meus pensamentos são de diretor.”   Quantas vezes disse a mim mesmo que ia deixá-lo em paz. Que não iria fazer caso dele, como ele não faz caso de mim. Mas a minha mãe ensinou-me a ser...
Translated from SL to PT by Barbara Jursic
Written in SL by Andraž Rožman

Diário

21 de agosto       Chamo-me Erik Tlomm e este é o meu diário. Foi o psiquiatra que me recomendou escrever, supostamente para ter melhorias no tratamento. Contudo, para quem devo escrever? Para ele? Para a minha esposa Lina? Mas com certeza não lhe vai mostrar o que eu escrevi. Quando lhe perguntei, respondeu: «Escreva para si próprio.» Então, comprei uma caderneta de couro e eis-me aqui, sentado à secretária, a escrever-me um diário, sem conseguir afastar a sensação de escrever também para outra pessoa – mas para quem? 22 de agosto       Deixem-me explicar o meu primeiro registo no diário (...
Translated from SL to PT by Barbara Jursic
Written in SL by Mirt Komel
More in PT

Bárbaros no Império Romano

Porque caiu o Império Romano? Esta pergunta atormentou a civilização  europeia em toda a sua história, a par (de modo por vezes explícito, por  vezes subentendido) com a reflexão sobre as consequências que aquele  acontecimento longínquo tem no presente. Impressionados pelas ruínas  monumentais de Roma e instruídos sobre a sua herança imaterial, olhámos  com admiração as suas conquistas económicas, tecnológicas e culturais: e  perguntámo-nos qual teria sido a evolução da civilização ocidental se a  queda do Império não tivesse modificado as condições individuais de vida  e redimensionado drast...
Translated from IT to PT by Ana Cristino
Written in IT by Fabio Guidetti

A Aguardente que mata

DE LIVRO DE CONTOS: A AGUARDENTE QUE MATA DISCLAIMER: Os seguintes excertos são de um livro de contos composto por seis ciclos (Uma notícia incomum, As aves não sobrevoam os subúrbios, Os esboços do minibus, A aguardente que mata, Pela boca, Fizeram bem em bombardear-nos). Cada um dos ciclos contém cinco contos. Os contos condensam os protagonistas e os acontecimentos, e entrelaçam-se entre si no espaço.  CICLO AS AVES NÃO SOBREVOAM OS SUBÚRBIOS     As Casas da cultura nas terras pequenas foram todas convertidas em lojas. Em frente delas há sempre três ou quatro homens de chinelos abibas d...
Translated from SR to PT by Ilija Stevanovski
Written in SR by Ana Marija Grbic

Uma declaração de dependendência

Recentemente, cruzei-me num churrasco com uma pessoa que tinha  acabado de ter um bebé. O churrasco era a primeira atividade fora de casa  pós-parto. Com o bebé nos braços, confessou o quão dependente se tinha  tornado. Esta palavra fazia-lhe surgir uma expressão de deceção na face, e  contava isto como se de uma confissão se tratasse.  Ela parecia considerar a dependência como uma forma de fracasso. Tal como todos nós, julgo eu.  A dependência é, normalmente, associada a algo fraco e pouco atraente,  quase feio. A independência, por sua vez, é vista como algo forte e atraente,  o objetivo a a...
Translated from NL to PT by Pedro Viegas
Written in NL by Rebekka de Wit

Com as aves, partilho o céu

      Às vezes, torna-se insuportável. Manducam tão alto que me despertaram. E não só, também discutem quem terá o bocado mais saboroso e não me deixam adormecer. Tudo se ouve, embora haja vidros duplos nas janelas e as esquadrias isolem bem. Um quer sementes de abóbora, outro de linho, porque estalam tão entusiasticamente, os mais pequeninos querem, sôfregos, as migalhas de pão. As fêmeas não querem, de maneira nenhuma, o bolo de sebo. Quem diria que os tordos-comuns, os pintarroxos, os chapins-azuis e os verdilhões não queiram encher o seu aparelho digestivo com absolutamente nada do que lhe...
Translated from SL to PT by Barbara Jursic
Written in SL by Agata Tomažič

O arrendamento

Os meus dedos grossos de trabalho e velhice arranham-me as maçãs do rosto de cada vez que enxugo estas lágrimas que não me deixam. Estou convencida que o mar não tem fim e não sei de onde me nasce sempre mais uma aflição se já estou morta dentro de mim. Não haverá paz depois do fim de tudo? Nunca vi o mar, mas sei como se fazem os caminhos. À água ninguém lhe põe a mão, que ela vai sempre onde quer ir, mas eu sei arregueirá-la e tirar partido da sua teimosia, antes que me volte a fugir e vá lá para os confins encher os espaços do meu desconhecimento. Não medi ainda o tamanho do espanto de con...
Written in PT by Daniela Costa

E lá longe Dedos Dez

POLEGAR  Mesmo estando no décimo segundo andar, consegues ouvir o barulho das  obras. Estás a lavar a louça. Rebolaste para fora da cama, vestiste uns boxers  e, de tronco nu e sem meias, começaste a lavar a louça. Como não saiu logo água quente da torneira, esqueceste-te de abrir a torneira da água fria, pelo  que a água ficou demasiado quente, magoando-te as mãos. Quando as tiras   debaixo de água, ficam vermelho-vivas.  A banca está toda coberta de louça suja. Também no chão da cozinha estão  panelas, travessas de vidro e pilhas de pratinhos com requeijão ressequido  nas bordas. O chão da ...
Translated from NL to PT by Xénon Cruz
Written in NL by Joost Oomen